O que é um fundo de investimento?

Um fundo de investimento é uma concentração de recursos financeiros captados de Pessoas Físicas e Jurídicas, fracionados em cotas e destinados às aplicações financeiras. O valor da cota é apurado diariamente e é igual ao patrimônio líquido do fundo dividido pelo número de cotas. Cada fundo tem seu próprio regulamento e sua política de investimento.

O Fundo de Investimento funciona como uma empresa constituída com o objetivo único de fazer investimentos financeiros. Apesar de possuir CNPJ, os fundos não têm personalidade jurídica própria. Quem adquire cotas de um fundo contrata a prestação de serviço de um gestor profissional, neste caso a DLM Invista, que faz a administração dos recursos dos investidores e cobra uma taxa de administração e/ou desempenho pela prestação deste serviço.

A chamada carteira dos fundos é o conjunto dos títulos, caixa, cotas de outros fundos e outros ativos em que os recursos de um determinado fundo estão investidos num dado momento.

Os ativos que compõem os fundos são analisados e determinados pelo gestor do fundo, baseado no regime de melhores esforços. Dessa forma, o ideal é que você escolha o(s) fundo(s) mais adequado(s) às suas necessidades de liquidez, prazo de retorno das aplicações e disponibilidade ao risco do investimento.

Como investir em um fundo

Aplicar em um fundo de investimento significa comprar cotas desse fundo. O dinheiro que você utilizou para comprar as cotas é direcionado para a Carteira do Fundo. Todos os recursos captados pelo fundo são aplicados de acordo com dois quesitos: a politica de investimento específica daquele fundo e a composição básica de sua carteira, conforme definido em regulamento.

Há um valor  mínimo de investimento exigido para aplicar num determinado fundo, chamado de aplicação inicial. Uma vez feita uma aplicação inicial, as seguintes serão consideradas adicionais. As aplicações adicionais também podem ter um valor mínimo estipulado.

Qual é a diferença entre saldo bruto e saldo líquido na aplicação de fundos?

O saldo bruto é o valor total de sua aplicação numa determinada data. É calculado através da multiplicação da quantidade de cotas do investidor pelo valor da cota do fundo na referida data. Já o saldo líquido é o valor creditado em sua conta corrente quando o resgate é solicitado, deduzindo-se do saldo bruto os impostos (Imposto de Renda e IOF, quando existirem).

O que é Objetivo de Investimento e Política de Investimento do fundo?

Objetivo de investimento: Também chamado de benchmark, é onde o gestor planeja chegar com os investimentos. Por exemplo: superar a rentabilidade da variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Política de investimento: Como o gestor pretende atingir os objetivos propostos. Por exemplo: Se o objetivo do Fundo é superar a variação do CDI,  ele irá  assumir riscos nos mercados de taxas de juros, de câmbio, de ações, utilizando estratégias de compra e venda dos ativos, podendo até mesmo fazer operações de alavancagem.( politica de investimento)

Que riscos podem estar envolvidos em uma aplicação em fundos?

Conheça a definição das principais nomeclaturas:

Riscos de mercado: Os ativos dos fundos são contabilizados a valor de mercado, estando sob influência de fatores econômicos externos. Dessa forma, estão sujeitos a  oscilações nos preços dos títulos e valores mobiliários que compõem a carteira e a depreciações no valor da cota do fundo.
Risco de crédito: Devido a possibilidade de inadimplemento das contrapartes envolvidas em investimentos, perdas financeiras podem ocorrer até o montante das operações contratadas e não liquidadas, ou até o valor dos rendimentos e/ou do principal dos títulos e valores mobiliários.
Risco de liquidez: Possibilidade de redução ou inexistência de demanda pelos ativos integrantes da carteira, nos mercados em que são negociados.  O gestor pode encontrar dificuldades para liquidar posições ou negociar esses ativos no tempo e preço desejado.
Risco pela utilização de derivativos: A variação dos preços dos derivativos pode levar a ganhos ou perdas, o que pode tanto aumentar a volatilidade na carteira quanto causar perdas patrimoniais aos cotistas. Seu valor depende do preço do ativo base no mercado à vista e de parâmetros de precificação baseados em expectativas futuras.
Risco de concentração: A concentração de investimentos em: determinado(s) emissor(es), cotas de um mesmo fundo ou  em cotas de fundos administrados e/ou geridos por uma mesma pessoa jurídica pode aumentar a exposição da carteira aos riscos mencionados acima, aumentando a volatilidade do fundo.

Existe garantia em aplicações de fundos? O que é o FGC (Fundo Garantidor de Crédito)?

Não existe garantia para aplicações em fundos de investimento. O investidor deve tomar conhecimento de que a “rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura”. O FGC é uma garantia privada do sistema bancário e não do governo, como acredita a maioria dos investidores. Seu objetivo é garantir depósitos de até R$ 250.000,00 por CPF/CNPJ caso a instituição financeira deixe de cumprir com sua obrigação. São garantidos pelo FGC os seguintes depósitos: conta corrente, poupança, CDB e RDB, letra de câmbio, letra hipotecária e letra imobiliária.

 

Taxas de Administração e Performance

A Taxa de administração é o preço que o cotista paga pela administração profissional dos fundos que adquiriu. Ela é uma taxa fixa aplicada sobre o patrimônio do fundo, que é cobrada mensalmente. Todos os cotistas de um mesmo fundo pagam igual taxa de administração, independente do valor da aplicação. Note que as cotas divulgadas diariamente já se apresentam líquidas da taxa de administração.

Alguns fundos podem aplicar a cobrança de uma taxa de performance, ou seja, uma taxa adicional cobrada sobre a rentabilidade que exceder a um índice preestabelecido, de acordo com especificações do regulamento.

Por exemplo: O que simboliza uma taxa de performance de 20% sobre o que exceder 100% da variação do CDI?
É a diferença entre a rentabilidade do fundo e o que exceder 100% da variação do CDI no período. Ela será distribuída em 20% para o administrador e 80% para o cotista.

Tributação dos Fundos

1) Ao fundo resgatado nos primeiros 29 dias de aplicação será cobrado IOF, de acordo com a tabela regressiva.
2) Sob os rendimentos apropriados semestralmente (come-cotas em Maio e Novembro) será recolhido imposto de renda, de acordo com suas caracteristicas:
• Carteira de longo prazo: Tributação de 15%.
• Carteira de curto prazo:  Tributação de 20%
Por ocasião do resgate das cotas, será aplicada à alíquota complementar, de acordo com o prazo de permanência dos recursos na aplicação.
• Fundos de ações ou fundos de investimentos fechados:  os rendimentos serão tributados exclusivamente no resgate das cotas (neste caso não há come-cotas), e a alíquota menor, de 15% sobre o ganho de capital.