Planejamento-sucessorio

A importância do Wealth Management para o planejamento sucessório

Muitos são os aspectos a ser considerados no processo de planejamento sucessório. Um assunto evitado pela maior parte das empresas familiares, a sucessão é um dos maiores problemas desses empreendimentos. Apesar disso, segundo pesquisa da KPMG em parceria com a Fundação Dom Cabral, entre 2016 e 2018  os índices de transferência da gestão do negócio para a geração seguinte aumentou em torno de 20%.

Conciliar desejos de sucedidos e sucessores, vocações e talentos, além das questões jurídicas, administrativas e financeiras da empresa são os desafios desse processo. No entanto, criar um planejamento sucessório é parte do plano estratégico de longo prazo de qualquer negócio. Ainda que delicado, é extremamente necessário. 

Vantagens e desafios das empresas familiares

Empresas familiares são definidas por três conceitos básicos: Propriedade, Gestão e Continuidade. Maioria no cenário nacional e mundial, apresentam bons aspectos no mercado. Por exemplo: 

  • Tem boa reputação: O nome da empresa é também o nome da família e isso gera empenho de todos os membros em serem transparentes com seu parceiros e clientes;
  • Equipe gestora comprometida: por se tratar de patrimônio familiar, a equipe gestora é comprometida com um gerenciamento honesto e de crescimento. 
  • Manutenção de conhecimento e processos: o conhecimento acumulado ao longo dos anos tende a permanecer e ser repassado, melhorado e modernizado de acordo com a história do empreendimento. 

Para que esses pontos positivos funcionem bem e contribuam para a longevidade da empresa, no entanto, é necessário encarar alguns desafios. 

Entre os problemas apresentados, podemos destacar a mistura entre relações pessoais entre os familiares e suas relações dentro da empresa, que tem como consequência a dificuldade na profissionalização da gestão e processos. 

Baseados na confiança entre parentes e no espírito empreendedor da família, essas instituições têm dificuldades para instituir políticas de compliance, governança empresarial e familiar,e canal de denúncias. Por isso e pela delicadeza que cerca o momento da sucessão, o planejamento legatário também acaba por ficar em segundo plano. 

Aspectos jurídicos e preparatórios do planejamento sucessório 

Muitos são os aspectos jurídicos de uma sucessão e devem ser observados por todos os envolvidos, tanto para o correto cumprimento da lei quanto para evitar sensibilidades entre os membros da família. Uma vez que estes aspectos forem observados, cria-se a documentação para que a sucessão da empresa aconteça de acordo com a vontade e vocação dos envolvidos, sem ferir as determinações legislativas. 

Definido quem será o sucessor, é necessário prepará-lo para assumir o cargo que virá a assumir. Alguns passos facilitam essa etapa:

  • Conhecer a organização a fundo: para que conheça profundamente os detalhes do negócio, o candidato deve experienciar o trabalho em todos os setores, passando um tempo em cada departamento, conhecendo processos, funcionários e as dinâmicas de trabalho e contratação. 
  • Conviver com o gestor: a convivência com o profissional a ser substituído visa a manutenção dos processos administrativos e de gestão, mesmo que haja modernizações naturais ao processo sucessório. É ainda uma forma de adquirir conhecimento e experiência, além de ser um momento de o atual ocupante do cargo avaliar de perto pontos fortes e fracos no sucessor, ajudando na sua preparação. 
  • Objetividade e transparência: é necessário ser transparente sobre a situação financeira, administrativa e organizacional da empresa, de forma que os desafios não sejam surpresas com as quais será necessário lidar após a sucessão. 
  • Preparo técnico: Cursos, leituras, palestras também são importantes para a formação deste herdeiro. Após identificar pontos fortes e fracos do sucessor, é importante traçar um plano de preparação teórica abrangente. 

Seguir esses passos evita, principalmente, que conflitos pessoais ou familiares atrapalhem o processo de sucessão ou mesmo o futuro do negócio. Além disso, é importante considerar a saúde financeira da empresa, garantindo que o caixa não sofra com eventuais oscilações do momento sucessório. 

Wealth Management no planejamento sucessório

Wealth Managements muitas vezes atuam como family offices, fazendo a gestão do patrimônio financeiro da família. Essa gestão é, então, feita por um grupo independente, garantindo a isenção dos investimentos e gerindo a complexa relação entre família e patrimônio. 

Muito além de gerir a liquidez da família empresária, essa abordagem com visão de family office, trabalha para que o patrimônio amplie-se de forma segura. Além disso, a gestão patrimonial deve compreender as questões legais, mercado imobiliário e, claro, mercado financeiro. É papel do gestor ou do time de gestores identificar quais as melhores oportunidades de acordo com os objetivos do cliente. 

Atendimento personalizado

Cada negócio tem seus próprios objetivos e planejamento estratégico. Por esse motivo, uma boa gestão patrimonial é personalizada para cada cliente. É necessário conhecer a fundo o perfil dos clientes para determinar a carteira de investimentos mais segura e correta para seus objetivos naquele momento. 

Assim, o papel dos profissionais é essencialmente estratégico, gerindo o patrimônio de forma inteligente e fazendo mudanças de acordo com o crescimento, evolução e transformações da empresa. As transições de gestão não ficam excluídas deste processo. 

Seja por afastamento voluntário — no qual o profissional auxilia na escolha do melhor plano de aposentadoria e possibilidades de aumentar os rendimentos após o afastamento — seja por morte, a gestão patrimonial está preparada para lidar com o momento delicado de todo o processo de transição, garantindo aplicações seguras que não sofrerão com possíveis reveses do mercado ou da gestão nesse período. 

Gestão patrimonial estratégica

Ao contratar uma empresa de Wealth Management, além da comodidade, a empresa também contrata uma relação imparcial e transparente na gestão dos investimentos, uma vez que os gestores são focados na personalização da carteira e não na venda de produtos específicos. 

Essa gestão traz muitos benefícios para a família e para a empresa, que pode profissionalizar a alocação dos seus investimentos, muitas vezes deixada de lado.

Se você quer saber se uma empresa de Wealth Management é a melhor opção para o patrimônio da sua empresa e família, conheça a DLM falando com um de nossos especialistas. 

 

Ainda não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.