12 erros que prejudicam os investimentos

12 erros que prejudicam os investimentos

Investir é fundamental para conquistar uma vida financeira tranquila e equilibrada. Aqueles que conseguem, inclusive, organizar sua vida financeira são mais suscetíveis a alcançar seus objetivos de curto, médio e longo prazo, devido à organização e ao planejamento.

No entanto, para conquistar esses objetivos é preciso ter alguns cuidados.

Existem fatores que prejudicam os investimentos, e você deve estar atento a cada um deles e evitá-los a todo custo.

Quer entender mais sobre isso? Continue a leitura!

Erros que prejudicam os investimentos em renda fixa

Erros que prejudicam os investimentos em renda fixa

Os investimentos em renda fixa são muito interessantes, principalmente para as pessoas que estão começando a se aventurar.

Por serem mais seguros, eles possuem uma baixíssima possibilidade do investidor perder dinheiro. Isso só acontece, inclusive, caso o valor seja resgatado antes do prazo definido pelo investimento.

No entanto, até as opções mais seguras podem trazer problemas para os investidores: existem alguns erros que te impedem de conquistar resultados muito mais interessantes. 

1. Falta de diversificação da carteira

A falta de diversificação da carteira é um dos erros que prejudicam os investimentos mais comuns.

Quando você define seus objetivos e cria seu planejamento, é preciso ter uma diversidade de investimentos para garantir a segurança e uma boa rentabilidade dos seus resultados.

Quando você aplica em diferentes modalidades, é possível encontrar opções distintas mais adequadas às suas necessidades e aos prazos estipulados nas suas metas pessoais de curto, médio e longo prazo.

Por isso, ter um portfólio diversificado ajuda a garantir a proteção em caso de mudanças e volatilidades do mercado, tornando sua carteira muito mais rentável.

2. Falta de acompanhamento e controle

Um outro erro comum, em renda fixa e em renda variável, é a falta de controle e acompanhamento do investimentos.

Como a renda fixa traz menos riscos para o investidor, é comum que ele simplesmente aplique seu dinheiro e pare de acompanhar a rentabilidade.

Isso é um erro porque é preciso que você continue o controle para saber se os resultados estão dentro do previsto e serão capazes de te ajudar a conquistar seus objetivos.

O ideal é ter uma rotina de acompanhamento e controle: semanalmente você irá avaliar, por exemplo, como estão os índices e as taxas, se houveram quedas, se houveram melhoras ou se elas seguem dentro do previsto anteriormente.

Isso te ajudará a ter mais previsibilidade e uma visão ampla do caminho que está percorrendo no mundo dos investimentos.

Não entender como as taxas funcionam

3. Não entender como as taxas funcionam

Mesmo que você conte com um gestor, não entender como as taxas funcionam é um dos erros que prejudicam os investimentos mais comuns e mais prejudiciais para os investidores.

É preciso que você entenda como cada taxa funciona, do que se trata, quais são os fatores que influenciam no aumento ou no declínio desses números e, principalmente, como elas afetam os resultados dos seus investimentos.

Dessa forma, sempre que houver alguma mudança na economia, como a queda da taxa selic, por exemplo, você saberá como isso afetará seus resultados, podendo reavaliar os investimentos e buscar alternativas mais interessantes para seus objetivos.

4. Não acompanhar o mercado financeiro

Além de conhecer as taxas e entender como cada coisa funciona, é preciso aprender a acompanhar o mercado financeiro e entender como ele está se movimentando.

Isso te ajudará e identificar as melhores alternativas, mesmo que você esteja contando com a ajuda de um profissional.

É interessante conhecer, por exemplo, o histórico de algumas aplicações, para que você faça uma escolha mais assertiva e possa tirar suas dúvidas com o gestor de investimentos.

Acompanhar o mercado também significa estar por dentro dos acontecimentos do mundo financeiro e político que afetam diretamente os rumos dos investimentos: é preciso acompanhar a política do país e as mudanças financeiras para entender o que impactará a sua rentabilidade.

5. Não ter objetivos claros

Um outro erro muito comum, principalmente para quem está começando a investir, é não ter objetivos claros.

Os objetivos são fundamentais para você entender onde você está e onde você quer chegar, e com base nisso desenhar um caminho de investimentos que irá te ajudar a conquistar esse resultado esperado, seja ele de pequeno, médio ou longo prazo.

Se seu objetivo é uma viagem em família, uma especialização ou independência financeira, é preciso que você crie metas e identifique quais são as melhores alternativas para alcançar cada um desses objetivos.

Não importa se você quer algo a curto, médio ou longo prazo, algo simples ou grandioso. O importante é realmente ter o objetivo definido e ser capaz de trabalhá-lo de forma estratégica e eficiente.

Erros que prejudicam os investimentos na bolsa de valores

Erros que prejudicam os investimentos na bolsa de valores

O investimento em rendas variáveis, ou na bolsa de valores, por exemplo, é um investimento de maior risco que a renda fixa.

Além de exigir um conhecimento ainda mais aprofundado, é interessante contar com um gestor para auxiliar durante esse processo, para que você tenha mais segurança e encontre os fundos de investimento muito mais interessantes e rentáveis, capazes de te ajudar a conquistar seus objetivos.

Mas, como já era de se esperar, os fundos de rendas variáveis também possuem erros que prejudicam os investimentos.

Se você quer navegar no universo da bolsa de valores, por exemplo, é preciso evitar esses obstáculos.

6. Não ter domínio sobre renda variável

O primeiro erro para quem quer investir em renda variável é, de fato, não conhecer os fatores que englobam essa modalidade de investimento.

Fazer aplicações sem o conhecimento necessário nessa área pode significar perder dinheiro, escolher rentabilidades não muito interessantes e, principalmente, se afastar cada vez mais de seus objetivos.

Parece uma dica óbvia, mas infelizmente ainda é muito comum encontrarmos pessoas que se aventuram nesse mercado sem o conhecimento necessário para fazer boas escolhas.

Por isso, é importante que você estude as modalidades de investimento, entenda quais são as vantagens e desvantagens de cada uma delas e, com base nisso, consiga escolher aquelas alternativas que melhor se adequam aos seus objetivos financeiros.

O conhecimento de renda variável é necessário não só para quem vai investir sozinho, como também para aquelas pessoas que irão ter o auxílio de um gestor de investimentos.

Mesmo que você tenha um profissional ao seu lado, entender o mercado e os investimentos irá te ajudar a ter mais segurança nas decisões.

7. Ter grandes expectativas

Claro que, antes de começarmos a investir, temos grandes expectativas sobre os resultados e objetivos que você estabeleceu.

No entanto, é preciso ter pé no chão: as expectativas são interessantes e importantíssimas para que você continue investindo e criando um ambiente propício para o sucesso, mas é preciso ter um pouco de realismo envolvido para que você não se frustre e não faça escolhas precipitadas.

Por isso, muitas vezes ter um gestor de investimentos pode ser uma excelente alternativa. Esse profissional será bem realista a respeito das previsões dos resultados e te ajudará a manter a consistência e o foco.

Ignorar os riscos dos investimentos

8. Ignorar os riscos dos investimentos

Como dito anteriormente, os riscos existem tanto na renda fixa quanto na renda variável. No entanto, muitas pessoas acabam ignorando essa premissa na hora de investir.

Quando um investidor escolhe os fundos de investimento, ele precisa considerar:

  • riscos de crédito
  • riscos de liquidez
  • riscos de mercado

E, infelizmente, ignorar esses riscos pode fazer com que o investir perca não só uma parte considerável do valor aplicado, como também engessar o montante investido, devido à falta de liquidez.

Para evitar esse erro, é necessário que você considere todos os riscos relacionados aos investimentos e se lembre de que mesmo os produtos mais seguros, como as rendas fixas, possuem riscos.

9. Focar apenas em uma métrica

Acompanhar a rentabilidade dos seus investimentos é importante, e você precisa identificar quais são os indicadores de performance mais importantes para os seus resultados.

Importante não focar apenas em uma métrica, tampouco escolher “métricas de vaidade”.

Escolha quais são os indicadores que realmente mostram se você está chegando cada vez mais próximo dos seus resultados e tenha uma rotina de mensuração.

Erros que prejudicam a rentabilidade dos investimentos

Erros que prejudicam a rentabilidade dos investimentos

Além dos riscos que comentamos, tanto em renda fixa quando em renda variável, existem outros erros que impedem qualquer investimento de dar os resultados esperados.

É necessário que você entenda que, apesar de tantos riscos e tantos cuidados, os investimentos são fundamentais para que você tenha uma vida financeira equilibrada e esteja cada vez mais próximo de alcançar seus objetivos.

Vamos aos outros detalhes que atrapalham os resultados?

10. Não ter um gestor de investimentos

Como comentamos ao longo do artigo, existem profissionais chamados “gestores de investimentos” que são excelentes alternativas para quem quer fazer boas escolhas e conquistar os resultados dentro do prazo estipulado.

Esse profissional irá te ajudar a definir as metas adequadas, encontrar os melhores investimentos e, principalmente, te manter realista e ciente dos progressos, erros e acertos durante todo o seu processo de investimento.

Vale reforçar que ter esse gestor não tira a necessidade de entender taxas e mercado. Ele apenas te guiará e te ajudará a construir uma carteira rentável, mas você precisa entender quais passos está dando, e para onde está indo.

11. Não ter um planejamento

Além de ter os objetivos bem definidos, como citamos anteriormente, também é importante ter um bom planejamento.

Uma vez que você sabe onde está e onde quer chegar, é hora de traçar esse caminho.

O planejamento é fundamental, mas também é interessante ter uma rotina de reavaliação desse planejamento de acordo com os progressos conquistados de tempos em tempos, garantindo que ele esteja adequado à sua realidade e às suas necessidades.

Trocar com frequência o gestor de investimentos

12. Trocar com frequência o gestor de investimentos

A relação com o seu assessor de investimentos exige que ele te conheça bem, e para isso provavelmente você respondeu um questionário para identificar o seu perfil de investidor antes de dar início aos investimentos.

Mas o questionário ainda é muito superficial. É preciso haver reuniões periódicas.

No primeiro contato não é possível coletar todas as informações, e portanto é necessário um trabalho investigativo ao longo do tempo para ter pleno conhecimento do cliente.

Essa investigação não se trata de vasculhar a vida do investidor, mas verificar se as informações passadas no primeiro contato estão de fato alinhadas com as suas necessidades.

Vou exemplificar: o cliente menciona que não possui nenhuma necessidade de liquidez, mas nos primeiros 3 meses o mesmo solicitou resgates recorrentes. Algo está incoerente com sua declaração inicial de perfil.

Um outro caso: o cliente solicita que a carteira tenha mais ativos com exposição a ações porque está extremamente otimista com o cenário econômico. Além disso, diz que seus amigos e parentes compartilham da mesma visão.

No entanto, há alguns meses ele retirou todos os seus investimentos mais arrojados e fez uma migração para renda fixa pois a bolsa de valores havia tido uma semana ruim.

Antes de atender o desejo do cliente é preciso lembrar das situações anteriores, evitando influências por um ambiente externo que o faça mudar de perfil apenas temporariamente e tomar risco desnecessário.

Esse conhecimento do cliente é criado ao longo do relacionamento. Quando o profissional deixa a instituição essas informações se perdem e um novo ciclo é iniciado.

O novo profissional não possui o histórico das experiências que você já viveu no mercado financeiro e provavelmente não vai ter as respostas do seu próximo questionário de perfil com a mesma riqueza de detalhes.

E nesse momento, o investidor é encaixado em um perfil “padrão”. É como se houvesse um rótulo: “Cliente de 50 anos, casado, perfil moderado”.

Ser rotulado junto com demais investidores pode resultar em uma carteira que não está adequada ao seu perfil.  Essa questão pode gerar uma quebra de expectativa e te levar a procurar outro profissional, ficando preso a esse ciclo de rotatividade.

Para que sua experiência com o mercado financeiro seja positiva pra você e para os seus investimentos é necessário estar com um profissional que o acompanhe de perto e entenda suas necessidades, assim como os ciclos e períodos de vida em que você se encontra.

Gestão de patrimônio é um serviço de acompanhamento contínuo, exige recorrência.

Consiste em uma troca frequente de informações, na qual é necessário entender do investidor, suas necessidades e anseios.

Quais são os próximos passos?

Quais são os próximos passos?

Existem erros que prejudicam os investimentos e por isso você precisa ficar de olho. Esses deslizes podem acontecer tanto com investidores iniciantes quanto com os mais experientes.

Acreditamos que com essas dicas é possível traçar um plano de investimentos de sucesso e ter mais previsibilidade e assertividade para os resultados esperados.

Além disso, é interessante conhecer também modalidades de serviços, como o asset allocation. A DLM Invista trabalha com essa modalidade e auxilia vários clientes a terem uma carteira de investimentos diferenciada e extremamente rentável.

Entenda mais no nosso artigo Asset Allocation: Como montamos sua carteira de investimentos.

Ainda não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.