Planejamento financeiro: Erros mais comuns (aprenda a evitá-los!)

Planejamento financeiro: Erros mais comuns (aprenda a evitá-los!)

Você se considera uma pessoa organizada financeiramente? Livre de erros no planejamento financeiro?

Se perguntassem a você quais foram os seus gastos com alimentação no último mês, você saberia responder de imediato?

A maioria das pessoas tendem a fazer uma “contabilidade mental”, e por isso só dão atenção aos gastos mais altos (condomínio, aluguel, luz, etc).

Nosso cérebro acha irrelevante o valor do lanche que você comeu em uma terça feira de tarde, ou o estacionamento que você teve que utilizar no domingo quando foi ao shopping.

Esses pequenos gastos, quando somados, se tornam custos tão altos quanto os que já citamos, e que comem grande parte do seu orçamento financeiro.

Você deve estar se perguntando:

“Saber o quanto gasto com lanche e estacionamento vai me deixar rico?”.

A resposta é simples:

“Depende de como você vai utilizar essa informação depois.”

A base de qualquer planejamento consiste em 3 etapas:

  • definir metas;
  • traçar estratégias;
  • acompanhar os resultados para melhorar o processo.

Observe que a meta não deve ser definida estipulando um número aleatório.

Ela deve ser baseada na sua rotina e nos seus gastos atuais. Por isso mencionei a importância de saber como é o seu orçamento atual.

Como identificar os meus gastos?

Planejamento financeiro conheça os erros mais comuns e aprenda a evitá-los (2)

Hoje grande parte das vendas são feitas através de cartão (crédito ou débito), o que para alguns acaba sendo uma forma de identificar os gastos, seja no extrato ou na fatura.

Infelizmente a fatura e o extrato ainda não categorizam os tipos de gastos, mas alguns aplicativos fazem isso por você.

Aplicativos comuns de gestão financeira pessoal:

Existem outros, claro, mas esses são alguns já consolidados no mercado.

Aos que não confiam nesse tipo de aplicativo, é possível fazer de forma manual, no final do mês pegar o extrato ou a fatura e classificar gasto por gasto.

Eu acredito que essa ainda é a melhor forma, apesar de gastar um pouco mais de tempo para realizar.

A verdade é que, ainda que você use um aplicativo, ainda vai precisar de disciplina e dedicação no mínimo semanal para acompanhar e registrar o seu orçamento.

Só dessa forma será possível minimizar equívocos rotineiros na suas finanças pessoais.

Já sei com o que eu gasto. O que faço agora?

Se você já identificou e categorizou os seus gastos, deve se perguntar:

“Tem espaço para reduzir algum deles?”

  • Sim! Então defina quanto deseja diminuir em cada categoria e monitore pelos próximos meses.
  • Não! Monitore para que esses gastos não aumentem durante os próximos meses.

Agora, uma dúvida bem comum:

“Porque estamos falando dos meus gastos e não das minhas receitas?”

As receitas provavelmente vêm de uma quantidade inferior de fontes e tendem a ter o mesmo valor de um mês para o outro. Receitas mais comuns podem ser salário, dividendos, aluguéis.

Como elas variam pouco e normalmente entram poucas vezes ao mês, elas são mais fácil de memorizar.

Se você sabe o quanto recebe por mês e o quanto gasta já tem todo o ferramental para realizar o seu planejamento financeiro. E com esses dados pode-se definir as suas metas e concluir o primeiro passo.

Agora, se os seus gastos estiverem superiores à sua renda, volte na pergunta “tem espaço para reduzir algum deles?” e faça essa resposta ser positiva repensando alguns gastos.

Erros comuns no planejamento financeiro

Planejamento financeiro conheça os erros mais comuns e aprenda a evitá-los (5)

Antes de falarmos onde aplicar o excedente de todo mês, é importante saber quais as possíveis armadilhas na elaboração de um planejamento financeiro.

São elas:

1. Acompanhe diariamente as suas despesas e receitas

O principal ponto do planejamento financeiro é a poupança mensal.

Saber quais os gastos e seus respectivos valores te permite calcular quanto vai sobrar. O acompanhamento deve ser contínuo.

Algumas pessoas fazem por 2 ou 3 meses e depois param.

Muita atenção! Só é possível saber o valor exatamente se o controle estiver sendo feito. (ou se sua memória for muito boa!)

Perder o controle desses valores é um erro que pode destruir o seu controle financeiro.

2. Compre somente o que você realmente precisa

Quando o controle está sendo bem feito, a poupança mensal se mantém em determinado valor ou até aumenta.

E é aí que surge mais um problema.

As pessoas acham que estão gastando pouco naquele determinado período e por isso voltam às compras. E na maioria das vezes acabam adquirindo itens que não são necessários no momento.

Se você sempre acaba comprando mais do que precisa ao ir ao shopping ou supermercado, siga uma rotina básica:

  • faça uma lista em casa do que vai comprar;
  • discuta a lista com quem influencia na compra. Marido, esposa, filhos, amigos, parentes;
  • pesquise online pelos preços. Já defina as marcas e lojas que serão visitadas;
  • no shopping ou supermercado, vá direto no produto desejado e compre somente ele.

Fazendo isso, você evita passar do limite nas compras e depois sofrer para reorganizar suas finanças.

3. Compare os preços

Como falamos no item anterior, várias compras são necessárias e não podem deixar ser feitas.

E para evitar o aumento dos gastos a sugestão é comparar preços.

É possível encontrar diferenças de até 20% entre mesmos produtos em lugares diferentes ou com marcas diferentes.

Não deixe que parte da sua capacidade de poupança vá embora por não comparar preços.

4. Utilize cartão de crédito apenas quando for benéfico

Algumas pessoas se iludem com a sensação de comprar com o cartão de crédito e achar que não gastou o próprio dinheiro.

Na verdade você só está adiando uma despesa.

Atenção para este erro,  pois ele pode atrapalhar seu controle e parecer que em determinado mês não se gastou tanto, já que a fatura só chega no próximo mês.

Caso uma compra parcelada não tenha juros, pode ser interessante investir em uma compra para evitar de estourar o orçamento de determinado período.

Mas nunca se esqueça que a parcela será cobrada nos próximos meses. Então você precisará prever essa despesa nos períodos seguintes.

5. Pague à vista quando tiver desconto

Descontos são sempre bem-vindos, e na maioria das vezes são ofertados para pagamentos à vista.

Então não seja tímido e sempre pergunte se existe desconto para pagamento à vista.

Não perca a oportunidade de economizar por não perguntar.

6. Tenha metas bem definidas

Metas bem definidas são críticas para fugir de erros no seu orçamento financeiro pessoal.

As metas são muito importantes, porque você transforma em números os seus resultados e consegue verificar se tudo está indo conforme o planejado ou não.

Imagine um grupo de amigos que resolveu fazer uma dieta de controle calórico para alcançar um determinado percentual de gordura.

Desde que começaram eles controlam toda quantidade de carboidratos, de proteínas e de gorduras que ingerem diariamente, além da qualidade dos alimentos ingeridos.

Também fazem uma avaliação física periodicamente, o que permite que eles verifiquem se tudo está indo de acordo com o planejado.

Agindo assim, é muito difícil que eles não tenham sucesso, pois eliminaram ao máximo as chances de fracasso.

Estão controlando o maior número de variáveis possíveis, fazendo metas e verificando se tudo está funcionando como deveria.

Com as suas finanças o processo não é diferente.

Você deve fazer um planejamento financeiro, segui-lo e verificar periodicamente os resultados obtidos. Até para saber como contornar desvios que possam vir a ocorrer.

A meta é o principal passo para o sucesso do planejamento financeiro, saber quanto quer poupar e onde quer chegar.

Se você não tem isso bem definido, dificilmente conseguirá monitorar seu progresso e controlar possíveis equívocos nos gastos mensais.

7. Analise os seus objetivos mensalmente

A independência financeira é um projeto de longo prazo, mas como todo caminho longo é feito de pequenos caminhos, separe sua meta em várias metas menores.

Da mesma forma que em uma longa viagem é necessário passar no posto antes para verificar a calibragem dos pneus e abastecer, no planejamento financeiro também é possível fazer dessa forma.

Para aplicar isso no seu orçamento, siga alguns passos:

  • crie uma meta de poupança mensal;
  • crie uma meta de acúmulo em 12 meses;
  • agora projete a economia em 3 anos;
  • repita para 5 anos;
  • siga em frente até chegar na sua independência financeira.

E mais importante do que definir as metas é acompanhá-las mensalmente.

Voltando no exemplo da viagem longa, imagine se você perdeu uma entrada na rodovia e não verificou no mapa ou no GPS rapidamente. Seu destino provavelmente ficou mais longe.

Não cometa esse erro no seu planejamento, ou sua independência financeira ficará cada vez mais distante.

8. Viva de acordo com a sua condição financeira

A maior parte dos brasileiros gosta de viver o momento presente.

Muitas pessoas querem distância da palavra economizar e amam ir ao shopping fazer compras, preferem viver de aparências, mesmo que elas não sejam sustentáveis no longo prazo.

Pense nisso: qual o percentual da sua renda que você gasta com seu carro e com outros bens?

Uma coisa é um multimilionário ter um carro extremamente caro (que corresponde a menos de 1% do dinheiro dele).

Outra coisa é uma pessoa que compra um carro que não consegue bancar, porque o carro consome 50% do salário dessa pessoa.

A mensagem essencial é:

viva de acordo com o seu padrão de renda.

Caso contrário, você pode se complicar bastante em relação às suas finanças.

Lembre-se: os juros compostos a seu favor são excelentes, mas contra são extremamente danosos.

Portanto, evite se endividar a qualquer custo!

Os erros citados servem para auxiliar na elaboração da sua estratégia financeira.

Quando você identifica uma possível armadilha no seu trajeto fica mais fácil de desviar e não cair nela, concorda?

Erros na aplicação do dinheiro economizado

Planejamento financeiro conheça os erros mais comuns e aprenda a evitá-los (5)

Ao longo do texto, abordamos:

  • como aumentar a capacidade de poupança;
  • como evitar erros no planejamento financeiro.,

Agora vamos falar de como evitar equívocos ao alocar o capital que está sendo acumulado.

As pessoas tendem a aplicar os primeiros meses de excedente nas opções disponibilizadas no seu próprio banco.

E quando percebem que a rentabilidade está sendo insuficiente, lembram de um conhecido de um amigo que tinha oferecido um investimento que possui rendimento de, pasmem, 5% ao mês sem risco.

Fazendo um cálculo simples, acreditando nessa promessa sem cabimento e fazendo uma única aplicação de R$ 10.000 reais, depois de 20 anos, você teria 1 bilhão. Sim, 1 bilhão.

Alguém acredita nessa?

O problema é que, diante da oportunidade de usar esse tipo de atalho para sua independência financeira, as pessoas acabam entrando em um caminho sem saída, perdem todo seu capital e precisam voltar ao início e começar tudo de novo.

Infelizmente, investimentos com retornos tão altos e “livres de risco” costumam ser fraudes, também conhecidas como pirâmide financeira.

O conceito de pirâmide financeira consiste em utilizar o recurso de novos entrantes do esquema para pagar o rendimento dos demais investidores que entraram a mais tempo.

Só que, cedo ou tarde, esse recurso se esgota ou o criador da pirâmide some com o valor que conseguiu coletar.

A sugestão para não cair nessa armadilha é optar por investimentos que sejam realizados em seu próprio nome e que possam ser acompanhados a qualquer instante.

Além disso, claro, buscar empresas que sejam autorizadas a prestar serviços financeiros pelos agentes reguladores.

É importante destacar que a premissa básica para uma gestão de investimentos é que ela seja inteiramente personalizada para o seu contexto.

Dessa forma, você evita erros de aplicação ao colocar seu dinheiro e patrimônio em investimentos que não estão de acordo com o seu perfil.

Entenda um pouco mais sobre isso no vídeo abaixo:

Evite erros financeiros e faça seu dinheiro render

Agora que você já sabe como fugir dos equívocos ao fazer um planejamento financeiro, é hora de começar a fazer toda essa economia valer a pena.

O primeiro passo para ter sucesso nessa busca por rentabilidade é entender quem poderá te ajudar a escolher as melhores aplicações e investimentos disponíveis no mercado.

Acompanhe então o nosso conteúdo que detalha os diferentes profissionais do mercado de investimentos.

E não deixe de comentar se tiver mais dúvidas sobre planejamento financeiro!

Ainda não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.